Lançamento de Candyland

Neste sábado AGORA, dia 26 de maio, a partir das 16h, vai ter bate-papo com Guilherme Caldas e lançamento de Candyland, trabalho dele em parceria com Olavo Rocha. Confira o evento no Facebook.

Sobre o livro: Nas inóspitas paisagens de Candyland seguimos as aventuras de Martin, um herói cronicamente azarado e inapto para as tarefas cotidianas. A temática central das histórias é a inadequação: Martin é o homem comum que procura seu lugar num mundo que valoriza acima de tudo o sucesso e a produtividade. A solidão, a arte, a velhice, a vaidade e muitos outros temas universais também atravessam as histórias de Candyland.

Vale lembrar que o livro foi realizado com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba, e conta com o incentivo da Celepar.

Distribuiremos senhas de autógrafo a partir das 14h. Até lá!

Anúncios
Publicado em Convidados | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Tungstênio, o filme

Suas definições de imperdível foram atualizadas. Hoje, no Espaço Itaú de Curitiba, exibição do filme Tungstênio (adaptação da obra de Marcello Quintanilha) e bate-papo com o diretor Heitor Dhalia e a Mitie, que além de proprietária da Itiban também é curadora da Bienal de Qudrinhos de Curitiba 2018.Fina!

Não perca o horário: é hoje, 21h.

Publicado em Dicas | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Conversamos com Greg e Bianca, de “Eles estão por aí”

Vamos receber Bianca Pinheiro e Greg Stella na Itiban no próximo sábado, 16h,  praquele tradicional bate-papo com o público e sessão de autógrafos de seu livro mais recente, Eles estão pro aí. Ou seja, no dia 19 de maio, eles estarão por aqui! (DSCLP)

Pra dar um gostinho do que vem por aí, conversamos com o casal por email:

Existiu alguma diferença no processo de vocês entre Meu pai é um homem da montanha e Eles estão por aí? Como surgiu esse livro?
Bianca: sim. Já de partida a diferença está no modo como a HQ como projeto surgiu. Meu pai é um homem da montanha veio de uma sugestão que o Greg me deu para um quadrinho de terror (que eu queria fazer para lançar no FIQ de 2015 mas ainda não tinha história). Aí sugeri que fizéssemos juntos já que a ideia era dele.
Eles estão por aí é todo do Greg. Ele me contou a HQ quase inteira no final da CCXP 2016 e ele mesmo ia desenhar. Eu é que gostei tanto da ideia que pedi para participar com os desenhos. Os diálogos foram todos escritos por ele a partir das cenas que ele já havia definido. E eu ajudei um pouco na hora de definir o storyboard e fiquei com a parte do desenho, claro.

Greg: foi diferente. No Meu pai é um homem da montanha a parte de layouts ficou toda com a com a Bianca e, quando isso foi feito, ainda não tínhamos o texto definido, foi tudo meio que na base do “o personagem nessa parte diz mais ou menos isso ou aquilo, deixa um espaço aí pro texto”. A gente sentou um dia, eu descrevi as cenas que tinha imaginado e a Bianca foi quadrinizando (montando o storyboard). Então a coisa toda foi da minha cabeça direto pras thumbs da Bianca. É claro que nessa fase de preparação a gente ia discutindo tudo e aproveitou pra dar uma ajeitada nas cenas e nos layouts. No geral, acho que foi um processo meio desengonçado.
No Eles estão por aí a gente trabalhou de forma bem mais inteligente, eu acho. Antes da Bianca desenhar qualquer coisa, a gente planejava bem as cenas. Ou seja, a gente sempre ia pro storyboard com os diálogos, as pausas e as ações principais todas definidas e devidamente anotadas. Isso não significa, é claro, que a gente não fazia ajustes, mas, de qualquer forma, foi um trabalho mais organizado. Além disso, dessa vez eu participei mais ativamente da elaboração dos layouts de páginas.

Página de Me pai é um homem da montanha

Eles estão por aí é o trabalho favorito de vocês? Onde, sem falsa modéstia, vocês acham que acertaram bonito com o livro?
B: li o livro pela primeira vez quando os exemplares prontos enviados pela Todavia chegaram aqui em casa. Até então eu não conseguia ler porque quando se está muito próximo do trabalho é difícil entender onde ele funciona e onde não funciona. Mas depois de lê-lo direito pela primeira vez, achei na verdade uma HQ muito cativante. E triste. Achei que os diálogos, o tempo, o ritmo e as páginas funcionaram bem. E como o livro como objeto é grande e imponente e lindão, a experiência de ler a cópia física é muito mais legal do que ler digitalmente (que era como o conhecíamos até então). Parece livro de gente grande. Gostei bastante do resultado final.

G: é meu favorito, sim. Pra começo de conversa, adorei o livro em si, o objeto. Achei muito bonito! (e agradeço ao André Conti, nosso editor, por ter nos convencido a aprovar aquela capa, hehe.) ainda não consegui ler o livro direito, porque ainda não consegui me afastar o suficiente pra isso. Mas folheando o livro, lendo um trecho ou outro, acho que a gente acertou no visual, no design das coisas e das páginas. Acho que é um livro que me chamaria a atenção se eu pegasse pra dar uma olhada numa livraria. Espero mesmo ter acertado no ritmo também, ritmo é a coisa mais importante numa HQ.

Como vocês definem o que vai ser trabalho pessoal e o que vai ser parceria? Há de interferência/sugestão/participação do Greg nos trabalhos da Bianca e da Bianca nos do Greg?
B: conversamos um pouco sobre essa pergunta, hahaha. O Greg notou que geralmente se a ideia é minha eu mesma faço a HQ por conta. Se é dele, a gente decide se ele fará sozinho ou se faremos em equipe. Mas o caso das Bruxas Caçadoras, que é a HQ na qual estamos trabalhando agora, o Greg sugeriu que fizéssemos um quadrinho divertido. E ele tinha a premissa e o setup do cenário. A partir daí fomos criando.
Quanto à participação do Greg nos meus trabalhos, sim, muita! O Greg na verdade atua como meu editor em tudo o que eu faço. É ele quem ajeita meus textos, que diz o que está bom e o que está ruim, e quem me dá sugestões de para onde a história pode ir, essas coisas. Posso afirmar com certeza absoluta que nenhum dos meus quadrinhos (nem mesmo Bear 1 e Dora, os primeiros) existiriam se o Greg não estivesse comigo.

Uma página de Bruxa Caçadoras

G: acho que é assim: se o argumento é da Bianca, a HQ é dela e eu fico no suporte; se o argumento é meu, a gente conversa, e pesa bem as coisas, antes de decidir se vai fazer e se vai ser parceria ou não.
E sim, a Bianca participa muito daquilo que eu faço, não importa muito o que seja. ela é minha leitora beta e pode dar aquela “olhada de fora”, que é uma coisa fundamental se você não quer depender do seu olhar viciado.

Como foi o processo editorial com a Todavia? Foi muito diferente do independente ou mesmo de quando a Bianca fez Mônica: Força?
B: foi muito diferente sim. Primeiro porque como o livro não é focado exclusivamente no enredo, o (ótimo) trabalho de edição do André Conti (editor da Todavia) foi bastante diferente do de Sidney Gusman (editor da MSP). Em ambos os casos, no entanto, valorizamos bastante a presença do editor, porque quando estamos os dois (Greg e eu) trabalhando no mesmo quadrinho, fica muito difícil para nós entendermos onde a narrativa funciona e onde está ruim. Nesse caso do Eles estão por aí nós fomos obrigados a acreditar na palavra do André quando ele dizia que estava bom porque, honestamente, pra gente nada mais fazia sentido e as 200 páginas da HQ eram pura porcaria. Eu obviamente mudei de ideia hahahahah!

G: isso aí.

Bianca, você está trabalhando em algum quadrinho solo?
B: Não. Quero dizer, sim. Mas não ativamente. O foco agora está nas Bruxas Caçadoras, que tô fazendo com o Greg.

Greg, você está trabalhando em algum quadrinho solo?
G: sim! É uma webcomic chamada Grantilda, a bárbara espacial (e Gustaf, o feiticeiro aposentado), que você pode ler no http://grantilda.tumblr.com

Página de Grantilda

Quais são os planos da La Gougoutte (grupo de quadrinistas do qual ambos fazem parte) pra este ano?
B: o Alexandre está trabalhando numa HQ longa que ele tá fazendo em parceria com o Lielson Zeni (também conhecido como “você”, hehehe), que deve sair ainda esse ano (?), talvez ano que vem.
O Yoshi tá terminando o segundo livro da série Eventos semi-apocalípticos, que vai se chamar Gilmar (e que, inclusive, está no catarse!), e já tá com outra ideia fervilhando na cabeça.
A gente tá trabalhando no Bruxas Caçadoras, que vai ser publicado capítulo a capítulo na internet e, se tudo der certo, vai ser impresso ainda esse ano. o Greg tá com Grantilda e com outro projeto doido aí. Eu tenho outras coisas planejadas pra esse ano ainda, mas é quase tudo preparação pra coisas que virão no ano que vem.

Publicado em Convidados, Entrevista | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Lançamento de Bianca Pinheiro e Greg Stella na Itiban

No dia 19 de maio, sábado, 16h, a Itiban vai receber os quadrinistas de Eles Estão Por Aí (Todavia, 2018), Bianca Pinheiro e Greg Stella. Vai ter bate-papo com os autores e na sequência, sessão de autógrafos.

Veja a sinopse da editora para a obra:

Num cenário que ora reconhecemos e ora parece pertencer a outra realidade, duas criaturas caminham rumo a um lugar. Durante essa jornada, encontram outras criaturas, envolvidas em seus afazeres, tarefas, angústias e dúvidas. A partir deste esqueleto enganosamente simples, Bianca Pinheiro e Greg Stella criaram um dos mais assombrosos quadrinhos brasileiros dos últimos anos. Jogando para o ar as convenções do gênero, os autores construíram uma comédia que é dramática, um mistério que não pede resposta, um cenário que não tem lugar. Eles estão por aí é um convite para uma viagem insólita, sem rumo definido e nem regras claras. A própria definição de uma grande obra de arte.

Marque a data e apareeeeça!

 

Publicado em Convidados | Marcado com , , , , | 1 Comentário

Iticlub: Fragmentos do Horror, de Junji Ito

Chegamos ao segundo encontro do nosso clube de leitura, no próximo sábado, 28 de abril, a partir das 15h, aqui na lojinha. Dessa vez, dedicada ao terror, com a obra de Junji Ito, Fragmentos do Horror (Darkside, 2017).

Quem toca o papo é a dupla bacanuda do Kitinete HQ, Liber Paz e Rodrigo Scama. Vale lembrar ainda que a obra tem 20% de desconto por conta do nosso clube de leitura. Apareeeeeeçam!

Publicado em Iticlub de Leitura | Deixe um comentário

Iticlub de Leitura: Hoje É o Último Dia do Resto da Sua Vida

Nste sábado, 31 de março, vai rolar o primeiro Iticlub de leitura aqui na loja. A conversa vai ser sobre o incrível Hoje é o último dia do resto da sua vida, da Ulli Lust e quem vai tocar o papo é a dupla do Kitinete HQ, Liber Paz e Rodrigo Scama.

O livro se passa na década de 1980 e conta a história de duas garotas de Viena que só queriam se divertir, partem em uma road trip até a Itália enquanto elas tentam sobreviver a pouca grana e ao machismo.

Então, as 15h chega aí pra trocar uma ideia sobre essa obra massa.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Entrevista com Clayton Junior

Sábado, 17 de março, 16h, receberemos Clayton Junior para o lançamento de seu livro mais recente, Selvagem. Pra dar um grau no lançamento, Mitie conversou com o autor, acompanhe:

Primeiro de Curitiba para SP e depois foi pra Londres, onde está até hoje. O que te motivou a mudar de cidade?
O que me fez ir pra lá foi uma bolsa de estudos de mestrado em Ilustração na Camberwell College of Arts. Eu passei dois anos me inscrevendo em bolsas pra todo canto do mundo – Japão, Itália, Holanda, Tailândia, Islândia, Índia – e acabou rolando em Londres, onde eu menos imaginava que eu iria acabar rolando, por causa da concorrência. Daí acabei ficando por lá (longa história).

Viver há mais de 10 anos na Europa facilitou sua carreira como artista gráfico e quadrinista?
Facilita o fato de que na Europa – e aqui eu incluo o Reino Unido – tem uma comunidade criativa forte, e as distâncias entre as cidades lá são relativamente curtas, o que ajuda na troca de ideias, de experiências cara a cara.
Eu tive a oportunidade de rodar bastante por lá, e criar uns laços legais com o pessoal nessa área. Por exemplo, fui varias pro festival Bilbolbul de quadrinhos em Bolonha, conheci muita gente inspiradora, fiz vários amigos, publiquei em antologias. A relação direta com a cena italiana me deu muita energia pra continuar fazendo quadrinhos.

Lembro do seu trabalho na coletânea Bang Bang (Devir, 2005) e depois acompanhei seus trampos, pela internet, mais ligados à ilustração. Veio pra Curitiba em 2011 e fizemos o lançamento de Temporama, HQ sem texto, que saiu pela editora inglesa Nobrow, na itiban, apresentou alguns exemplares de outras participações em revistas gringas (tipo a Graphic Cosmogony, da Nobrow) e na última visita à cidade natal fizemos o lançamento do livro escrito pelo Alessandro Andreola, Música do Dia, que tem suas ilustrações. Nessa mesma ocasião, nos apresentou seus livros infantis: Alone Together e Free the Lines. além disso, ainda produziu com um cientista(!) uma webcomic, a Brain Trippers. Agora, 2018, novamente retorna à casinha para lançar Selvagem (Sesi-SP), que saiu primeiro na França com o título Ma Vie de Loup, pela ed. Sarbacane. Você consegue olhar para isso tudo e detectar as mudanças no seu traço, no seu processo de criação? Acredita que tenha definido um traço só seu?
Na ilustração, eu sempre tentei seguir um estilo mais ou menos constante, meio por ser meu ganha-pão e também por que a maioria dos clientes não gostam muito de serem surpreendidos com experimentações .
Já nos quadrinhos, pra mim é o oposto: sempre fiz questão de experimentar, fazer alguma coisa que eu não tinha feito antes. Creio que eu fizesse quadrinhos com mais frequência, iria aparecer um traço mais definido. Mas do jeito que foi, cada trabalho saiu meio que um polaco de cada colônia (rs).

Com Ma Vie de Loup você participou do Festival do Livro de Saint Étienne e do festival BD Colomiers. Como foi a recepção do seu trabalho pelo público?
Foi uma surpresa. Em Saint Étienne eu descobri que o meu público não era adulto: eu fiz parte do pavilhão infanto-juvenil e a maioria dos leitores tinham entre 9 e 12 anos. Descobri também que as crianças francesas leem muito e de tudo um pouco. Claro que vários adultos compraram o livro também. Lá eles são muito familiarizados com a linguagem dos quadrinhos e a maioria sacou logo de cara que a história têm vários níveis de compreensão. A França é o sonho do quadrinista (rs).

Seus dois livros infantis (Alone Together e Free the Lines) lançados anteriormente na Inglaterra te influenciaram de alguma maneira?
Na verdade, não… Eu criei eles de outro jeito, focando mais no design das páginas e nos jogos de palavras. Eles têm mais a ver com o meu trabalho de ilustração, que é mais sintético. E quando eu comecei a fazer os livros infantis eu já estava finalizando a HQ.

Quanto tempo levou para finalizar Selvagem e qual foi o gatilho pra desenvolver a história?
O gatilho foi um artigo de jornal que li em 2011, sobre filhotes de cachorro que são colocados pra crescer com ovelhas pra se tornarem cães de guarda mais eficientes. Falava também dos lobos que, por conta do desaparecimento de seu habitat natural, estavam começando a aparecer em cidades no nordeste da Espanha. Na época eu estava lendo umas coisas como o How To Look at Animals, do John Berger, Deception, do filósofo Zyiad Marar, basicamente ensaios sobre comportamento. Eu fiquei com essa história na cabeça por mais de um ano. Numa noite de insônia, em um determinado momento, tudo fez sentido e a história surgiu meio que inteira, saiu numa tacada só.

Pra finalizar o livro levou mais ou menos 3 anos: um ano pra elaborar o roteiro e fazer um layout basicão da coisa toda. Daí um ano desenvolvendo o desenho, desenhando e redesenhando as páginas, e mais um ano fazendo as páginas finais.
Depois, levou mais uns quatro meses pra eu e o Marcus Penna colorirmos no computador, eu em Londres e ele em São Paulo.
Eu trouxe o sketchbook do livro pra mostrar na Itiban um pouco do processo.

Como foi apresentar e negociar Selvagem com as editoras Sarbacena e com o Sesi-SP? Vai ser lançada em outros países?
Eu mostrei a história pros editores só depois de pronta, quando eu estava começando a colorir. Mandei por e-mail uma sinopse e link pra um PDF para as minhas editoras favoritas em Londres, nos EUA, na França e no Brasil. A Sarbacane foi a primeira a me fazer uma proposta. Uns seis meses depois a SESI-SP topou fazer a edição daqui. Tem uma conversa sobre sair nos Estados Unidos, mas não tem nada fechado.

Houve alguma alteração na HQ depois de apresentada para essas editoras?
Sim, eu mexi em umas seis páginas em que aparecem o grupo de três lobos, pois o pessoal da Sarbacane achou que eles estavam muito parecidos, difíceis de distinguir. Eu fiz a alteração a contragosto, porque na aguentava mais trabalhar na história. Mas eles tinham razão, ficou muito melhor. E eles insistiram também muito na capa, aumentar isso, diminuir aquilo. De novo, fiz resmungando, mas o fato é que eles sabiam muito bem do que estavam falando, tudo fez sentido no final.
Ah, e as onomatopeias: a ovelha em inglês fala ‘Bea’, enquanto em francês fala ‘Bêê’, e em português, ‘Béé’. E assim pra uns outros sons também. Mas isso foi fácil e divertido de mudar.

O que está fazendo agora, quais os seus planos para o futuro….
De quadrinhos, eu estou terminando essa webcomic que falou, a Brain Trippers, pro European Research Council, um projeto que começou em março do ano passado e agora está nos últimos capítulos.
Pro futuro, comecei a esboçar umas ideias pra um próximo livro, mas nem adianta falar muito porque tá muito no começo. Mas vai ser meio autobiográfico. Uma comédia (rs).

No Brasil vemos uma movimentação maior no caminho do faço você mesmo. Muita gente se autopublicando ou mesmo se jogando como editor e criando seu próprio selo. Como vê essa movimentação? Tem vontade de experimentar esse caminho independente?

Eu fico super empolgado em ver que os selos e publicações independentes no Brasil estão cada vez melhores em todos os sentidos. E não descarto a possibilidade de fazer algo independente no futuro. Provavelmente, não faria nada no esquema “bloco do eu sozinho”, mas em parceria com o pessoal independente que já está no movimento. A colaboração dá força pros projetos, agiliza todos os lados, e dá bastante satisfação também. E acho que tem que se dividir as tarefas, porque fazer quadrinhos é legal, mas pra mim já dá trabalho pra cacete!

Publicado em Convidados, Entrevista | Marcado com , , , | Deixe um comentário