A caixa de Chris Ware

Todo mundo ficou louco quando Chris Ware colocou à venda o seu Building Stories.

O autor é conhecido e premiado por obras de inteligente experimentalismo gráfico, e de dar uma bela torcida na linguagem das HQs. Mas nada do que ele fez antes se parece com Building Stories. Pra começar, não é bem um álbum, é uma caixa. Olha só:

Os leitores surtaram mundo afora. Quem der uma busca no Google por Building Stories, vai ver que aparece muita resenha e comentário (fui até a página 28 da pesquisa e depois desisti). Ainda olhando na internet, há vários vídeos no You Tube,  fotos no Instagram e a multidão de conteúdo no Tumblr. Quase todos mostrando a caixa aberta e o seu conteúdo.

A obra de Ware é composta por 14 itens (além da própria caixa), que narram diversos momentos da história de uma mulher solitária que vive em um prédio. A solidão, os leitores de Jimmy Corrigan – O menino mais esperto do mundo (seu único trabalho editado no Brasil) já esperavam encontrar.

Esses mesmos leitores vão se lembrar da maneira pouco usual que Ware usa a página, mas Building Stories é ainda mais ousado. São diversos formatos de combinações de textos ilustrados, para serem lidos na ordem que o leitor quiser. A obra lembra duas experiências estéticas anteriores.

Uma, a mais óbvia, é no campo literário. Muitos autores usaram a ideia da leitura desordenada, Haroldo de Campos (Galáxias), Julio Cortázar (O Jogo da Amarelinha),  Marc Saporta (Composition Nº. 1), B.S. Johnson (The Unfortunates). Pedro Franz fez isso com o segundo volume de sua HQ Promessas de Amor a Desconhecidos Enquanto Espero o Fim do Mundo.

Boîte en valise de Marcel Duchamp

A outra, que o próprio Chris Ware disse em uma entrevista, é a ligação com as artes visuais, mais especificamente, as boîte en valise. Marcel Duchamp fez uma espécie de museu em miniatura com caixas e malas de viagem, em que ele colocou 69 reproduções das suas mais importantes obras (inclusive A fonte) – essa ideia foi genialmente reelaborada por Enrique Vila-Matas em História da Literatura Portátil.

Mas existe uma outra coisa que encanta: a ideia de abrir aquela caixa e começar a  puxar gibis dos mais diversos formatos, com uma anarquia juvenil de criar sua própria história. Building Stories alimenta o racional e o nostálgico do leitor. Pede a compreensão estética que dialoga com diversas artes e a ludicidade de ter 14 HQs pra ler. Só faltou uma delas em preto e branco pra colorir.

Pra ler e reler, de diversas maneiras, em muitos momentos. Pra guardar na caixa, tirar tudo pra fora, mexer, mexer e guardar de novo.

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigo, Dicas e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A caixa de Chris Ware

  1. Pingback: HQs que vêm por aí + notícias lá de longe | Blog da Itiban

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s